O Enigma de Pont-Neuf

Posted: 12 de jul de 2012 by leo in
16

Como foi explicada no post anterior,postarei separadamente filmes e discos,Junho para os filmes foi particularmente extraordinário,onde um dos mais fracos ainda assim é um bom passatempo.Uma Vida Melhor dirigido por Chris Weitz não é dos melhores,mas longe daqueles que ofendem,a trilha sonora é impecável e a atuação (justamente) indicada ao Oscar de Démian Bichir é extraordinária,onde mesmo nos momentos mais fortes do personagem Bichir transparece vulnerabilidade numa facilidade ímpar,o grande defeito é a edição que prejudica qualquer nuance da direção de Weitz.Caterpillar é um filme que nos mostra a história de um "Deus da Guerra" que voltou completamente desfigurado (rosto,sem braços e pernas,somente tronco) como consequência da 2°Guerra Mundial e a única pessoa que existe pra tomar conta dele é sua esposa,um filme pesado e difícil e absurdamente necessário,em certo momento do filme o personagem de Keigo Kasuya (muito bem pra situação em que atua) sofre através da esposa todos os danos em que ele fez pra "humanidade" numa espécie de carma,em cenas cruas e bem filmadas,a atuação premiada em Berlim de Shinobu Terajima é espetacular que certamente merecia um reconhecimento muito maior.Em L´Apollonide - Os Amores na Casa de Tolerância,Bertrand Bonello dirige (ou testemunha,como preferir) com sensibilidade e perfeição os últimos dia de um famoso prostíbulo em Paris do final do século XIX,altamente feminista e com um cenário e fotografia sufocante e irretocável,a química do elenco é belíssima,onde cada uma das atrizes possuem seus grandes momentos de sutileza,destacam-se Céline Sallette e Alice Barnole (que possui uma das personagens mais marcantes do ano),mesmo que seja um tanto maçante,vale muitíssimo a pena.
Em 2006 foi lançado em circuito nacional o filme O Céu de Suely dirigido por Karim Ainöuz e somente agora resolvi assistir esse que é um dos filmes brasileiros mais bonitos já feitos,uma direção e um roteiro que esbanjam da sutilidade,com um tema forte que em momento algum se torna forçado ou gratuito,apenas necessário,Zezita Matos tem uma atuação impecável,mas Hermila Guedes impressiona,numa sinceridade única,sem momento algum exagerar,Hermila encorpora a personagem e entrega uma atuação perfeita,extremamente perfeita.
O Enigma de Kaspar Hauser de 1974 e dirigido com precisão por Werner Herzog é o tipo de filme que nos mostra através de um personagem  o quão podre que pode ser a humanidade,o que mais chama atenção é o fato de alguém com visíveis problemas mentais pode levantar questões tão intrigantes e mostra o quão triste e manipuladora pode ser o desenvolvimento de uma pessoa se esta for posta em mãos erradas,típico filme que todos,sem exceção alguma,deve assistir.
E por fim e mais importante,Os Amantes de Pont-Neuf,o primeiro filme dirigido por Leos Carax,o qual fui obrigado a assistir e estava apenas perdendo um dos filmes mais bem feitos e bem dirigidos de todos os tempos,a típica história de amor onde o amor é tanto que beira a loucura,onde o Complexo de Édipo se faz presente a cada momento que Michele não está,Alex enlouquece,é a história de amor das mais particulares já vista,a direção de Carax é nada menos que genial,particularmente na cena do balé desenfreado pela ponte,que onde nasce todo o encanto de ambos os amores,as atuações são extraordinárias,Denis Lavant é de uma visceralidade tremenda e Juliette Binoche faz uma de suas melhores atuações nesse extraordinário épico romântico,com um dos finais mais esquisitamente belos.


5 Momentos
  1. O Balé em Pont-Neuf (Os Amantes de Pont-Neuf)
  2. Lágrimas (L´Apollonide - Os Amores na Casa de Tolerância)
  3. Hermila elogia a janta de Zezita (O Céu de Suely)
  4. A Apresentação de Kaspar Hauser (O Enigma de Kaspar Hauser)
  5. Shigeko olha o marido (Caterpillar)

A Beterraba - Momentos do Cinema

Posted: 5 de jul de 2012 by leo in
1

Acompanho o blog Through the Frames a um bom tempo e há algumas semanas,@_Ana_C criou uma série de posts entitulado Antologia TTF e pensei,porque não fazer igual?E cá estou eu,decidi me desafiar e cumprir a tarefa (quase impossível) de escolher não as melhores,mas aquelas que mais me marcaram e que pude presenciar,repetindo,são cenas de gosto pessoal,se acha que tem algo errado nelas,eu num posso fazer absolutamente nada,e eu não preciso nem avisar que após o pulo tá lotado de Spoiler né.

What We Heard from June

Posted: 2 de jul de 2012 by leo in
1


Como é perceptível,possuo um problema sério de manter modelos de posts e aquele do post abaixo acaba de ser abandonado,continuarei comentando o que foi conferido nos meses,só que de forma diferenciada,mais individual a cada tipo de material e como o título deixa claro,o que eu ouvi em Junho.Fui do bom,passei pelo mediano,alcancei o extraordinário e consegui chegar no muito ruim,serei mais específico.Começando por Johnny Keyser,saído da 11° temporada de American Idol,resolvi baixar o seu EP por ter curtido demais sua voz e como a maioria dos participantes saídos de realities musicais,não rende,o negócio é fraco,as letras sem graça e desinteressante,mas o seu cover de A Change is Gonna Come (cantado em sua audição) é extraordinário,dos melhores que ouvi no ano,se quer ver um Johnny Keyser legal,assista a temporada.Continuando no limbo,tivemos o Born and Raised de John Mayer,dos mais desinteressantes e sem graça do ano,se era compreensível as letras de Keyser ser sem graça pela inexperiência,pra Mayer é algo meio imperdoável após 4 discos anteriores,tipo de disco onde até a mais suportável If I Ever Get Around to Living é ruim,desaconselho.Após 2 anos de diferença com o seu último (e ótimo) Do You Want the Truth or Something Beautiful? Paloma Faith volta com Fall to Grace,exceto pela parte da graça,insosso e esquecível,mesmo com um bom material em mãos (já que evidentemente a mulher tava ferida),mas não é completamente dispensável Picking Up the Pieces faz bem a parte de abrir um disco empolgando,Let Me Down Easy é gostoso de se ouvir e Freedom parece saído de seu primeiro disco,mas três músicas não são suficiente pra agradar completamente um fã.Ainda sobre os sem brilho,temos Chromatics com o seu Kill for Love,como disse Igor (@urogi) no twitter,a atmosfera criada em torno do disco é maravilhosa,faz viajar de uma forma saudável,mas o disco peca nas letras,aliás,peca feio,mesmo que a faixa que entitule o álbum seja incrível (e seja a 2°) e é justo nos números que mora o maior pecado de Chromatics,porque se nem Paul McCartney (Kisses from the Bottom) e Kaiser Chiefs (The Future is Medieval) conseguiram manter um disco interessante com mais de 13 faixas,não iria ser o Chromatics que conseguiria.Fugindo um pouco da parte chata,temos Ladyhawke com o interessante Anxiety,interessante e empolga,tem boas letras (Sunday Drive,Anxiety) e bons ritmos (Cellophane,a melhor do disco),só que como muitos,perde a força no meio do caminho.Em Junho conferi dois discos que eu esperava bastante,mas decepcionaram,o primeiro deles foi o A Joyful Noise do Gossip (o 1° que ouvi da banda,fui atrás dos outros) e sim,esse é o mais fraco,não há nada de muito interessante,Beth Ditto continua com vocais impecáveis,a faixa que se destaca é Casualties of War (aliás,candidata a entrar no top 20 do ano).E a segunda decepção foi Magic Hour do Scissos Sisters,tá tudo ali,a irreverência de Shears e Matronic,mas além de irreverência é preciso empolgação,tudo que se ouve em Magic Hour,você certamente já ouviu em outro disco ou música da banda,mas nunca ignorar,Keep Your Shoes On,The Secret Life of Letters (melhor do disco e claro,com dedinho lindo de Joan Wasser) e a incrível Let´s Have a Kiki,tipo de música que toda balada GLS precisa pra sobreviver.
Mas não só de desgraças e decepções que vivi em Junho,porque quando se trata de ouro maciço temos,e muito.Começando com o Not Your Kind of People do Garbage,sinceramente,foi o meu primeiro disco da banda que tá na ativa desde 1995 e de 95 pra cá são 18 anos e disco é de uma vitalidade de banda no auge do sucesso,as letras passeiam no provocativo ao balada,sem vacilar em momento algum,os vocais de Shirley Manson são incríveis e pra não ter que recomendar individualmente faixa por faixa,o ouça todo.Jack White,o maior workholic do mundo música volta (e ele foi pra algum lugar?) só que agora só e com toda sua genialidade armazenada no impecável Blunderbuss,é um disco fácil,daqueles que passa rápido e quando acaba se diz "mas já acabou,vou ouvir de novo",Missing Pieces e Hypocritical Kisses são absurdas,só que nada bate Love Interruption,de repente,minha preferida das criações de Jack White.Agora,quem realmente volta é o Metric com Synthetica e não sei como foram capazes,mas sim,conseguiram fazer o seu melhor trabalho mesmo que tenham o também impecável Old World Underground,Where Are You Now? em seu currículo,em Synthetica,momento algum é desperdício,é um êxtase constante e cada faixa uma surpresa ótima,Youth Without Youth e Lost Kitten são Beyond Words de tão maravilhosas,só que The Wanderlust é viciante,viciante ao extremo,daquelas que se ouve todos os dias,por favor,se não ouviram,corram atrás.E pra terminar,chegamos ao ápice do mês,What We Saw from the Cheap Seats da magnífica Regina Spektor,outra que também não consigo entender como foi capaz de fazer o seu melhor mesmo com o maravilhoso Far,as canções são absurdamente lindas e se Spektor peca em alguma faixa,na seguinte ela recupera com facilidade e nos faz esquecer o erro e ainda conseguir ouvir a tal faixa errada como se fosse a última maravilha do mundo,Spektor delira na cultura italiana (Oh,Marcello),grita sobre a ditadura empresarial que grandes empresas postam a seus funcionários (All the Rowboats),canta o quanto nojenta é a política atual (Ballad of a Politician) e dá uma aula de como ser muito linda (The Party),What We Saw... é dos melhores do ano.


Playlist de Junho
  1. The Wanderlust - Metric
  2. The Party - Regina Spektor
  3. Love Interruption - Jack White
  4. Not Your Kind of People - Garbage
  5. Casualties of War - Gossip
  6. Let´s Have a Kiki - Scissor Sisters
  7. Kill for Love - Chromatics
  8. Picking Up the Pieces - Paloma Faith
  9. All the Rowboats - Regina Spektor
  10. Celophane - Ladyhawke
  11. Lost Kitten - Metric
  12. Automatic Systhematic Habit - Garbage
  13. Missing Pieces - Jack White
Bonus
Jumanji - Azealia Banks