Kate Nash - My Best Friend is You

Posted: 28 de abr de 2010 by leo in Marcadores:
9


Na segunda metade da década na Inglaterra se lançaram as seis cantoras que em apenas no seus álbuns de estréia me fizeram apaixonar perdidamente são elas Amy Winehouse,Duffy,Adele,Corinne Bailey Rae,Florence Welch e Kate Nash.Seus álbuns de estréia é algo fora do normal todos no mesmo nível de excelência sem errar numa única faixa e todas com músicas absurdamente incríveis em todos os sentidos possíveis.
Agora que se passaram um tempinho que foi lançado o álbum de todas elas (o menor tempo de lançamento foi o Lungs de Florence Welch lançado 6 de Junho de 2009) essas cantoras estão lançando novos trabalhos,Winehouse,Duffy e Adele já prometeram novos projetos enquanto Corinne Bailey Rae já lançou seu The Sea que na minha opinião foi bastante satisfatório e aí que chegamos nesse My Best Friend is You.
No visual do álbum nada do que reclamar quando se trata de Kate Nash,não decepciona e até digo que a capa capta bem a mensagem do álbum,a de um coração sempre partido,ou com um buraco como preferir.
Falando de início é IMPOSSÍVEL simplesmente impossível esse álbum ter começado melhor,fazendo ainda mais facilitada a conexão do conteúdo do álbum com a capa,Paris é espetacular,uma das melhores do álbum facilmente,mesmo como uma letra fácil e descompromissada a coisa flui com perfeição e com o ritmo marcante faz a música ser ainda mais memorável.
Outras músicas bem marcantes são Do-Wah-Doo que tem uma letra interessantíssima que fala de uma menina que ela odeia e novamente deixando a entender que sempre está falando de amor em suas músicas,Take Me to a Higher Plane e Mansion Song já vão pra um caminho diferente já dando a impressão que o casual é sempre mais satisfatório do que o compromisso.
Falando em Mansion Song,a introdução é algo incrivelmente curioso,coisa que ás vezes parece um desabafo,ou faz parte da vibe do álbum,não sei mas que é interessantíssimo e estranho ver Kate Nash dizendo que quer sexo e dor,muita dor é.
Por fim My Best Friend is You faz incrivelmente bem feito falando de amor (mesmo que ele seja casual e violento) e esse álbum consegue ter a audácia de ser melhor que o anterior e também ótimo Made of Bricks,ou seja se você ainda não ouviu vai logo que aqui tu tá perdendo tempo.

Nota:10/10

Melhor Música:
Paris e Pickpocket que tem a melhor interpretação de Nash.
Pior Música:I´ve Got a Secret.

Coração Louco

Posted: 23 de abr de 2010 by leo in Marcadores:
8


Bad Blake é um famoso cantor e compositor de música Country.Mas como beberrão e fumante inveterado sua vida se resume aos pequenos shows baratos que realiza em cidades do interior para um público que ainda o reconhece.Apesar de seu agente insistir para que ele reate com seu antigo pupilo e atual astro Tommy Sweet,Blake não abre mão de suas convicções e recusa o "favor".Até que Blake conhece Jean Craddock jornalista novata por quem se apaixona durante uma entrevista e se dispõe a assumir qualquer risco que apareça entre eles.

Como provavelmente deu pra perceber quem acompanha o blog,filme grandiosos demais não fazem muito meu tipo,os simplistas sempre me ganham sem esforço e a simplicidade eminente de Coração Louco que me fez apaixonar facilmente pelo filme.
O roteiro é singelo flui com facilidade a mensagem que é proposta,mas infelizmente o roteiro tem lá seus pecados e o maior deles é a semelhança absurda com outro filme sobre redenção profissional (O Lutador do Darren Aronofsky),chega a certo ponto que irrita de tanta semelhança.

Sobre a direção de Scott Cooper era algo que eu não esperava muito,não passou de algo correto e sem maiores riscos e traços marcantes,mas competente pra um iniciante,mas agora me contradizendo,o filme não é totalmente simples.
As atuações são belíssimas que de simples não tem absolutamente nada,Maggie Gylenhaal nesse filme aparece mais bela do que nunca e numa atuação firme e decisiva pela qual Gylenhaal recebe sua primeira e tardia indicação ao Oscar.
Já a performance de Jeff Bridges é realmente difícil descrever,incrivelmente perfeito e competente,Jeff tem a proeza de nos fazer se preocupar com Blake e seu futuro,e novamente Bridges nos entrega uma atuação memorável.

Por fim Coração Louco é um filme que merece ser assistido por ser um filme sensível,gostoso de se assistir e pra completar tem uma trilha sonora memorável e atuações marcantes,mesmo que o roteiro pareça repetitivo atrapalhe a experiência ao assistí-lo.


Sinopse retirada do Adoro Cinema


Nota:9/10

Coração Louco (Crazy Heart,2009)
Diretor:
Scott Cooper
Roteiro:Scott Cooper
Elenco:Jeff Bridgs,Maggie Gylenhaal,Robert Duvall,Colin Farrell,James Keane

Música do Dia

Posted: 19 de abr de 2010 by leo in Marcadores:
6




Já que o dia hoje foi no mínimo tumultuado nada mais justo eu postar uma das minhas músicas preferidas no momento.Ingrid Michaelson simplesmente tem o dom da calma,belíssima letra que nos fisga pela verdade eminente e simplicidade notável.
Quote preferida:"Don´t you worry,there my honey/We might not have any money/But we´ve got our love to pay the bills"

A Fita Branca

Posted: by leo in Marcadores:
2


Pouco antes da 1° Guerra Mundial,Em um vilarejo no Norte da Alemanha vivem as crianças e adolescentes de um coral,dirigido por um professor primário.A partir do acidente com o médico do vilarejo.A busca pelo responsável começar a ser realizada a partir daí.Logo outros estranhos acontecimentos ocorrem,levantando um clima de desconfiança e desconforto geral na aldeia.

As primeiras e segundas guerras mundiais são dois assuntos exaustivamente citados no cinema (no caso da 2° tem filmes americanos,alemães,austríacos e japoneses),mas no ano de 2009 foram feitos dois filmes com os respectivos temas de forma incrivelmente diferentes e bem executadas,o incrível Bastardos Inglórios e esse A Fita Branca.
A Fita Branca é um filme de difícil compreensão e por ser um filme desse tipo que ele é tão brilhante.
O filme conta com uma série de acertos importantes,primeiro delas é toda a parte técnica que capta perfeitamente o clima sempre tenso e frio do filme.E quando falo de parte técnica perfeita,digo da parte técnica como um todo,figurinos ótimos,Arte impecável e fotografia de cair o queixo,sempre presente em momentos cruciais e sempre ocultando o rosto dos atores em cenas importantes dos respectivos personagens,normal do Haneke.

Como também é normal nos filmes de Haneke as atuações dão marcantes mas nos filmes anteriores as atuações eram particularmente de um ator ou de uma dupla de atores,já nesse o brilhantismo na atuação é geral,todos os atores estão perfeitos,transbordando calma e nos entregando performances memoráveis e contidas.Entre todos os atores destaco aqui Christian Friedel que faz o professor que tenta solucionar os acidentes da aldeia,Leonie Benesch linda de morrer numa atuação belíssima,e os grandes destaques do filme são Leonard Proxauf e Susanne Lothar que estão meticulosamente poderosos em seus personagens.

E claro o grande mérito desse filme ser tão incrível é de Michael Haneke que novamente nos presenteia com sua direção de pulso forte,sem enrolação,indo sempre sendo direto,com sua frieza que somente ele sabe usar em cena,ou seja coisa de gênio sabe.A Fita Branca é o tipo de filme que roteiro e direção andam de mãos dadas,mesmo sendo o filme mais linear de Haneke é tão complexo e complicado como os outros nos fazendo ficar dias pensando como educação pode influenciar uma geração.

Por fim o que tiramos de lição desse A Fita Branca é que Michael Haneke é uma máquina de fazer obras primas.


Nota:10/10

A Fita Branca (The White Ribbon,2009)
Diretor:
Michael Haneke
Roteiro:Michael Haneke
Elenco:Christian Friedel,Ernst Jacobi,Leonie Benesch,Ulrich Kutur,Ursina Lardi,Fion Mutert,Burghart Klaubner,Maria Victoria Grabus,Leonard Proxauf,Rainer Bock,Susanne Lothar

Erykah Badu - New Amerykah Part Two (The Return of the Ankh)

Posted: 17 de abr de 2010 by leo in Marcadores:
4


Erykah Badu na minha opinião é uma cantora que está no pedestal,nível de Beyoncé,Billie Holliday,Beatles e Elis Regina nunca conseguiram me decepcionar.Depoid de sua obra prima Worldwide Underground,anos depois ela lançou um álbum que chegava perto do brilhantismo do anterior o New Amerykah Part One.
E já que o New Amerykah era Part One,tinha que ter o Part Two né.E eis que foi lançado a tal segunda parte,e a pergunta que fica é: "é tão bom quanto o 1° ?!"
Falar bem da capa do álbum e da arte do álbum é meio que chover no molhado quando se trata de Erykah Badu,ela sempre acerta no psicodelismo de suas capas e imagens,bem a vibe de suas músicas,começa acertando por aqui.
A 1° música single é a faixa bônus do álbum Jump Up in the Air,e sério impossível ter começado melhor,a música pega o Rap delícia que só Badu sabe fazer e ainda se juntou com um arroz de featuring que quando quer faz bem feito e um refrão chiclete e nos entrega uma ótima música.
De música boa o álbum não é carente ainda temos a ótima 20 feet tall,música do tipo esquisita e que nos deixa na expectativa de algo explosivo que só Badu consegue me deixar ansioso que vem pela frente numa música.Window Seat que é o novo single do álbum que tem uma ótima letra.Turn me away que me parece ser o alívio cretino do álbum,mas muito boa de se ouvir.Umm Hmm um r&b ótimo do jeito que não ouço a muito tempo e pra terminar a sessão elogios gratuitos do álbum falo aqui de Out My Mind Just in Time,a melhor letra do álbum e uma interpretação PERFEITA de Erykah,música de 10 minutos e 21 que dá gosto,muito gosto de ouvir.
Mas já que é pra falar de música boa do álbum,cito aqui ao que me parece uma trilogia interna que sobre o amor no álbum,começando pelo reconhecimento do amor com Love,os questionamentos sobre o amor com a pequena You Loving Me e o término do amor (e a melhor entre as três) Fall In Love,músicas incríveis as três.
Por fim New Amerykah Part Two não é tão incrível como o Part One,mas tem lá seus méritos,grandes méritos por sinal e sim é bom mas tanto quanto o primeiro não.

Nota:9.7/10

Melhor Música:
Fall in Love
Pior Música:Agitation por ser a menor música do álbum e eu entender qual era da letra

Avatar

Posted: 10 de abr de 2010 by leo in Marcadores:
11


Jake Sully ficou paraplégico após um combate na Terra.Ele é selecionado para participar do programa Avatar em substituição ao seu irmão gêmeo falecido.Jake viaja a Pandora onde encontra diversas outras formas de vida.O local também é onde vivem os Na´vi,seres humanóides que apesar de primitivos possuem maior capacidade física que os humanos.Os humanos desejam explorar a lua, de forma a encontrar metais valiosos, o que faz com que os Na'Vi aperfeiçoem suas habilidades guerreiras. Como são incapazes de respirar o ar de Pandora, os humanos criam seres híbridos chamados de Avatar.Desta forma Jake pode novamente voltar à ativa, com seu Avatar percorrendo as florestas de Pandora e liderando soldados. Até conhecer Neytiri,uma feroz Na'Vi que conhece acidentalmente e que serve de tutora para sua ambientação na civilização alienígena.

Assim que ouvi falar de Avatar despertei antipatia imediata por conta do diretor James Cameron (diretor do clássico O Exterminador do Futuro 2 mas também do grande pé no saco Titanic) e como sou o tipo de pessoa que generaliza,quebrei a minha cara e me deparei com um filme bem interessante.
Interessante primeiramente pelos Efeitos Especiais espetaculares que fazem do filme (provavelmente) uma grande experiência única (pra quem viu no cinema claro,não meu caso) e também pela mensagem bem interessante que já foi diversas vezes usadas mas é sempre um assunto necessário sobre a preservação do meio ambiente e as prováveis diversas formas de vida no planeta.

Como disse antes os efeitos especiais do filme são de cair o queixo,mas pra nossa felicidade o arraso técnico do filme não se limita somente aos efeitos,a direção de arte é incrivelmente bem feita e cuidadosa e não me refiro só do visual de Pandora,sendo o que mais me chamou atenção era o cenário do laboratório.

E como todo o filme de James Cameron,o filme tem suas atuações marcantes (não marcantes do nível dos anteriores mas mesmo assim marcantes) temos um Sam Worthigton bem seguro que sem muitos exageram mostrou todos os sentimentos de Jake (mesmo que seja de azul).
Mas já que se trata de um filme de Cameron o destaque fica com as atrizes,Zoe Saldana brilha mas como disse antes pena que ela estava de azul (fator que não incomoda em nada já que a tecnologia deixava visível quando o ator fazia bem o seu papel) e se eu disser que a melhor performance do filme é da Sigourney Weaver vai ficar repetitivo ?! Pra mim Weaver estava ótima em poucas cenas de destaque.

Por fim achei Avatar um bom filme,que funciona tanto como diversão,como crítica social.Mas como elogiei bastante o filme porque não daria 10 ?! simples,por achar Avatar um filme somente bom.


Sinopse do site Adoro Cinema

Nota:9.5/10

Avatar (Avatar,2009)
Diretor:
James Cameron
Roteiro:James Cameron
Elenco:Sam Worthington,Zoe Saldana,Sigourney Weaver,Stephen Lang,Joel Moore,Giovanni Ribisi,Michelle Rodriguez,Laz Alonson,Wes Studi,CCH Pounder

Invictus

Posted: 7 de abr de 2010 by leo in Marcadores:
6


Recentemente eleito presidente,Nelson Mandela tinha consciência que a África do Sul continuava sendo um país racista e economicamente dividido,em decorrência do Apartheid.A proximidade da Copa do Mundo de Rugby,pela primeira vez realizada no país,fez com que Mandela resolvesse usar o esporte para unir a população.Para tanto chama para uma reunião François Pienaar,capitão da equipe sul africana,e o incentiva para que a seleção nacional seja campeã.

Os dois últimos filmes de Clint Eastwood pra mim são muito abaixo da média (A Troca e esse da resenha),mas A Troca consegue fazer os espectador se identificar e torcer que o melhor aconteça no drama de Christine Collins.Já Invictus não nos faz se preocupar nem menor torcer pelo melhor por nenhum personagem,algumas vezes me parece que o filme seja até antipático.
O roteiro de Invictus é consistente,sem falhas,mas também não é algo que nos faça prender a atenção totalmente no filme e falar mal da direção de Eastwood é meio surreal,sempre fazendo bem feito,mas novamente devo comparar Invictus a A Troca.Em A Troca Eastwood ao menos se deu ao luxo de dar o tom de suspense que o filme precisava.Em Invictus não precisava,mas também não tem nada de mais,igual ao roteiro.

O filme não tem atributos técnicos relevantes nada é de chamar muita atenção,mas como é um filme de Eastwood tinha que ter alguma atuação boa.Morgan Freeman se mostra irretocável na pele de Nelson Mandela.É realmente fácil perceber a entrega total de Freeman no personagem que as vezes chega a ser difícil ver que tem alguém atuando ali.
Mostrando que fazer biografias no cinema não é só pintar cabelo,mudar sotaque ou imitar a personalidade.

Por fim Invictus é um filme absurdamente esquecível,só a atuação ótima de Morgan Freeman que consegue fazer o filme no mínimo memorável,infelizmente.


Sinopse do Adoro Cinema

Nota:6/10
PS:Não falei da performance de Matt Damon propositalmente,incógnita total,tanto o personagem (infelizmente por ser uma das figuras mais importantes do contexto histórico),quanto a atuação.

Invictus (Invictus,2009)
Diretor:Clint Eastwood
Roteiro:Clint Eastwood
Elenco:Morgan Freeman,Matt Damon

A Professora de Piano

Posted: 3 de abr de 2010 by leo in Marcadores:
4


Erika Kohut trabalha como professora de piano no Conservatório de Viena.Ela não bebe,não fuma,vive na casa da mãe aos 40 anos.Quando não está dando aulas Erika costuma frequentar cinemas pornôs e peep shows em busca de excitação.Logo ela inicia um relacionamento com Walter Klemmer,um de seus alunos,com quem realiza seus jogos mais perversos.

Pra quem pensa que ao assistir A Professora de Piano irá assistir a um filme de amor tórrido,quase cruel e tá certo,irá assistir sim,mas de fato o romance repentino de Erika e Walter fica totalmente em segundo plano,o maior trunfo desse filme é Erika,a tal professora de piano.
Mergulhamos de cabeça no dia a dia da exigente professora,que tem no mínimo uma sexualidade curiosa e é capaz de fazer qualquer atrocidade pra satisfazer seus estranhos prazeres.
Erika é uma personagem extremamente misteriosa,não temos idéia de onde vem todas essas manias esquisitas,não sabemos o porque de tanto desejo reprimido,mesmo que a narrativa seja totalmente linear é um filme que deixa mais questões do que respostas.

E como eu disse que o filme se resume na personalidade errônea de Erika,não era por menos esperar uma atuação acima da média da protagonista Isabelle Huppert,mas ficamos surpresos com tamanha técnica e perfeição que Isabelle trata toda sua frieza e seu sempre olhar penetrante.Isabelle mergulha de cabeça na sua personagem e nos presenteando com uma das atuações mais sisudas e poderosas da década.Destaco aqui a cena do banheiro onde tudo incomoda o espectador e até mesmo um close no rosto intacto de Isabelle consegue nos incomodar e a maior impressão que temos da cena é que Erika também nos impõe algo,como faz com Walter.

Agora falando da direção de Michael Haneke,devo dizer que Haneke é o diretor mais cruel e genial da atualidade,um dos novos mestres do cinema é impossível não se incomodar em suas cenas cruciais,a reação de Erika na cabine do cinema e a auto mutilação são cenas que se precisa de todo uma preparação pra encará-las.E ainda elogiando Haneke é brilhante como todo o mistério em cima de Erika ele ajuda a usarmos a nossa imaginação escondendo o rosto de Erika em algumas cenas decisivas.Coisa de gênio.

Por fim A Professora de Piano é um filme absurdamente difícil,incômodo,misterioso e que faz pensar sobre desejos reprimidos.Mas toda sua falta de cuidado (no bom sentido,claro) na realidade das cenas é necessária e realmente vale muito a pena aguentá-las.


Sinopse via Adoro Cinema.

Nota:
10/10

A Professora de Piano (La Pianiste,2001)
Diretor:
Michael Haneke
Roteiro:Michael Haneke
Elenco:Isabelle Huppert,Annie Girardot,Benoît Magimel,Anna Sigalevitch

Balanço do mês de Março

Posted: 1 de abr de 2010 by leo in Marcadores:
4


1.Magnólia (Paul Thomas Anderson/Magnolia/1999) , 10
2.Agnes de Deus (Norman Jewinson/Agnes of God/1985) , 10
3.Rede de Intrigas (Sidney Lumet/Newtork/1976) , 10
4.Foi Apenas um Sonho (Sam Mendes/Revolutionary Road/2008) , 10
5.Noivo Nervoso,Noiva Neurótica (Woody Allen/Annie Hall/1977) , 10
6.JCVD (Mabrouk El Mechri/JCVD/2008) , 10
7.Brilho de uma Paixão (Jane Campion/Bright Star/2009) , 9.5
8.O Leitor (Stephen Daldry/The Reader/2008) , 8.5
9.A Edição de Setembro (RJ Cutler/The September Issue/2009) , 8.5
10.Quem Quer ser um Milionário? (Danny Boyle/Slumdog Millionaire/2008) , 7
11.Brüno (Larry Charles/Brüno/2009) , 7
12.Dreamgirls - Em Busca de um Sonho (Bill Condon/Dreamgirls/2006) , 6
13.Um Sonho Possível (John Lee Hancock/The Blind Side/2009) , 4