Sherlock Holmes

Posted: 31 de jul de 2010 by leo in Marcadores:
8


Final do séculos XIX,Sherlock Holmes é um detetive conhecido por usar a lógica dedutiva e o método científico para decifrar os casos nos quais trabalha.O Dr.Watson é seu fiel parceiro,que sempre o acompanhou em suas aventuras.Porém esta situação está prestes a mudar,já que Watson pretende se casar.O último caso da dupla envolve Lorde Blackwood,por eles presos ao realizar um ritual macabro que previa o assassinato de uma jovem.Ele é preso e depois condenado à forca,mas misteriosamente é visto deixando o seu túmulo onde seu caixão foi deixado.Holmes e Watson são chamados pra solucionar o caso e logo ele se torna um grande desafio para o detetive,que não acredita em nenhum tipo de magia.Em meio as investigações temos o retorno de Irene Adler,uma ladra experiente por quem Holmes tem uma queda.

Histórias de investigação e qualquer coisa relacionada a Sherlock Holmes não me interessa e nunca me interessou e pelo habitual tratei o filme com descaso,mas até o dia em que assisti ao filme e gostei muitíssimo.
De começo é impossível ignorar os atributos técnicos do filme os figurinos são extremamente cuidadosos que contribuem com o visual meio obscuro do filme.A direção de arte faz totalmente jus a indicação ao Oscar (acho até que deveria vencer) e sem falar nos Efeitos Especiais incríveis e o que falar da espetacular cena do navio destruindo,ponto pro filme.
Mas ponto mais importante do filme é a espetacular trilha sonora de Hans Zimmer,onde acompanha perfeitamente o ritmo acelerado do filme,mais um ótimo trabalho de Hans Zimmer.

Mas se o filme também é bom boa parte da culpa é Robert Downey Jr. que se mostra ainda mais eficiente nesse tipo de filmes (entretenimento de qualidade),Robert está divertido e acho até que merecia um reconhecimento maior,acho até que Robert fez seu trabalho em Sherlock tão bem que faz os outros parecerem meros coadjuvantes de luxo.
E DEFINITIVAMENTE Guy Ritchie não devia nunca ter casado com Madonna,voltamos a ver Guy de antigamente,não em sua melhor forma ainda,mas acredito que isso é questão de tempo,vemos mais um ótimos trabalho de ritmo acelerado e sem conseguir diminuir o ritmo,novamente Guy fez bem feito.
Mas infelizmente o roteiro do filme peca em sua reta final,onde toda seu bom andamento é jogado fora com uma resolução parecidíssima com um episódio do Scooby Doo (mas sem o imóvel e as pernas psicodélicas).

Por fim Sherlock Holmes é um ótimo entretenimento mas não passa disso,recomendo a assistir sem compromisso.


Sinopse retirada do Adoro Cinema

Nota:8/10

Sherlock Holmes (Sherlock Holmes,2009)
Diretor:Guy Ritchie
Roteiro:Michael Robert Johnson,Anthony Peckham,Simon Kinberg
Elenco:Robert Downey Jr.,Jude Law,Rachel McAdams,Mark Strong,Eddie Marsan,Kelly Reilly

O Mensageiro

Posted: 27 de jul de 2010 by leo in Marcadores:
10


O exército norte americano mantém um setor,chamado de mensageiro,que tem a função de dar a notícia da morte de algum de seus integrantes à sua família.O sargento Will Montgomery foi recentemente nomeado para a função e passa a trabalhar com o capitão Tony Stone.Eles possuem pensamentos bastantes diferentes sobre como atuar na função,mas aos poucos aprendem um com o outro sobre a melhor forma de lidar com os familiares dos mortos.

O tema de O Mensageiro foi muitíssimo bem usada em 2009 (Taking Chance e o episódio "The Son" da quarta temporada de Friday Night Lights) e todas foram bem sucedidas,mas nada se compara a sensibilidade de O Mensageiro.
Como o filme se trata de um assunto altamente delicado,tudo nele dá a impressão que seja ainda mais delicado,forte e tão próximo de quem o assiste.
O roteiro e a direção faça que facilmente nos preocupamos com os personagens centrais do filme,boa parte da culpa é de Oren Moverman que faz um trabalho primoroso na direção do filme,Oren nos faz ser íntimos e testemunha de todas as frustrações e pesadelos de Will.

Mas já que os personagens são tão interessantes assim,a outra parcela de culpa é dos competentíssimo elenco (incluo tanto os protagonistas como os coadjuvantes) Woody Harrelson é forte e decisivo,impressiona somente com expressões,Ben Foster tem sua melhor performance até aqui e Samantha Morton tem mais uma ótima interpretação em sua carreira,sem contar a participação incrível de Steve Buscemi (onde só não gostei do desfecho de seu personagem).
O Mensageiro é mais um exemplar de filme de "guerra" onde o personagem principal é o psicológico de seus envolvidos,sendo que nesse filme a preocupação não se limita a somente aos soldados que lidam diretamente com a guerra e também com os seus familiares.

Por fim O Mensageiro aparece como o maior injustiçado do ano,marcante,emocionante,obrigatório.


Sinopse retirada do Adoro Cinema

Nota:9,5/10

O Mensageiro (The Messenger,2009)
Diretor:Oren Moverman
Roteiro:Alessandr Camon & Oren Moverman
Elenco:Ben Foster,Jena Malone,Eamonn Walker,Woody Harrelson,Yaya da Costa Johnson,Steve Buscemi,Samantha Morton

Linha de Passe

Posted: 23 de jul de 2010 by leo in Marcadores:
8


Num cotidiano Paulista,conhecemos a família da empregada doméstica Cleuza,viúva e mãe de 4 filhos.Dario que esta prestes a completar 18 anos e com a idade fica cada vez mais longe o sonho de se tornar jogador de futebol,Dênis é motoboy,pai ausente e tem dificuldade pra pagar as parcelas de sua moto,Dinho é o filho evangélico que no passado era um garoto da vida (como os próprios evangélicos diriam sobre ele) e o filho mais novo Reginaldo que vive uma odisséia na procura pelo pai.

Como todos nós sabemos a parte sul do continente americano é altamente influenciada pelo futebol,cinema daqui é um tantinho decandente,mas quando eles resolvem fazer bem feito,eles fazem coisas como esse Linha de Passe.
Ainda falando em futebol,o futebol parece ser a maior válvula de escape de todos os personagens do filme,de todo o caos do dia-a-dia de cada um.
Linha de Passe é um filme repleto de metáforas.E que na minha opinião a mais importante de todo o filme é a pia sempre entupida que na minha percepção simboliza a insatisfação de todos os membros daquela família,Cleuza se depara com uma nova empregada,Dario não consegue de forma alguma um teste,a situação financeira de Dênis é cada vez mais precária (tendo até que pegar dinheiro emprestado com o irmão mais novo pra pagar hotel),Dinho começa a perceber um conduta duvidosa do seu pastor e ainda tem o patrão que sempre desconfia da sua índole,e Reginaldo na sua busca sem resultado algum pelo pai e a sua pia continua entupida,sem parecer que tem homem naquela casa pra resolver aquele problema (palavras da Cleuza).

O roteiro do filme é inteligentíssimo e dificílimo,não facilita a nossa compreensão,nem em sua linguagem complicada e justo nas imagens que mostram as grandes sensações de frustração.Sem contar na construção de cada personagem do filme,os quatro irmãos são bem escritos e estritamente bem interpretados por cada ator.
Todos estão ótimos e destaco João Baldasserini e em sua belíssima cena final e José Geraldo Rodrigues onde interpreta de forma impecável um ex-algo curado e culpado do que fez,mas sem esquecer de suas origens.
Mas o grande destaque do filme é Sandra Coverloni perfeita em todas suas cenas,sem exageros,ela simplesmente incorpora a personagem e faz um trabalho minusciosamente belo e é ótimo ressaltar que foi merecidíssimo sua vitória como como Melhor Atriz em Cannes (que na minha opinião definitivamente não devia se limitar só naquele prêmios).
E como é bom dizer Walter Salles e Daniela Thomas são do Brasil,arrisco a dizer que são melhores diretores brasileiros em atividade e simplesmente não erram,juntos ou separados não importa.

Por fim Linha de Passe é um PUTA golaço do Brasil.


Nota:10/10

Linha de Passe (Idem,2008)
Diretor:Walter Salles & Daniela Thomas
Roteiro:George Moura,Daniela Thomas & Bráulio Mantovani
Elenco:Sandra Coverloni,João Baldasserini,Vinícius de Oliveira,José Geraldo Rodrigues,Kaique Jesus Santos

MEME:Julianne e o Fanatismo

Posted: 21 de jul de 2010 by leo in Marcadores:
4


Antes de começar o texto propriamente dito,digo que sinto-me imensamente lisonjeado de me passarem um MEME pela primeira vez (já que respondi uma vez a um e nem tinham ao menos me passado) e claro agradeço ao Luiz do Galvanismo e Arte Fluida e o objetivo desse é falar sobre um ator,diretor ou mesmo um filme que iniciou a paixão pelo cinema dos blogueiros indicados e no meu caso os blogueiros indicados são Matheus e Ana Kamila (respectivamente Cinema e Argumento e Cinéfila por Natureza).Mas ao mesmo tempo que responder um MEME é ótimo,é difícil respondê-lo e todos sabem que minha fissura pelo trabalho de atuação feminina é valorizada aqui no blog.Nomeio diversas atrizes como preferidas Meryl Streep,Kate Winslet,Cate Blanchett,Naomi Wattsz e por aí vai,mas ninguém,digo ABSOLUTAMENTE ninguém tem o poder de me manipular e me fazer ficar de queixo caído de todas as formas possíveis como Julianne Moore.

Minha paixão pelo cinema na verdade começou por um aluguel numa locadora em 2005,aluguei Chicago,As Horas e Pânico.Amei os três filmes igualmente,mas nada me deixou tão impressionado com Julianne Moore.
Primeiramente fiquei encantado com sua beleza,mas principalmente pela marcante atuação de uma mulher absurdamente triste,que somente com um olhar nos faz ficar totalmente desolados e com vontade de dar um forte abraço num dos personagens mais profundos já feitos.
Mas eis que os anos foram passando e meu gosto por cinema ficou muito mais apurado,muitas filmes preferidos ficaram pra trás e muitos filmes que eu simplesmente ignorava viravam obras primas numa segunda vista (quem falou em Beleza Americana aí),mas a minha fixação por aquela Laura Brown se mantinha firme e forte,até que tomei a decisão mais certeira,comprei As Horas.

Minha paixão pela personagem e pela arte da atuação só fez aumentar e o sentimento de pena e preocupação pela personagem ficava mais forte a toda nova reassistida do filme.Foi então que tomei a decisão mais certeira entre TODAS,resolvi estudar um pouco mais sobre Julianne Moore.
E foi então que descobri que Julianne Moore era a melhor atriz que já vi em toda minha vida,todas suas personagens são espetaculares,e se elas são fruto de algum roteiro vazio Julianne simplesmente dá a luz ao filme com suas atuações fortes e decisivas.
A veracidade e a fragilidade que Julianne dá a todas as suas personagens é impressionante e sem contar que como fica sempre linda o tom de tristeza que Julianne dá a seus personagens.
Resumindo Julianne Moore é brilhantemente eficiente em todos gênero ou personagem.

Macy Gray - The Sellout

Posted: 18 de jul de 2010 by leo in Marcadores:
2


Sempre dividi opiniões sobre os álbuns anteriores de Macy Gray (fora o seu álbum de estréia que acho excepcional) e sempre esperei por um novo ótimo álbum e eis que em Junho desse ano Macy Gray lança esse The Sellout,que concerteza o ouvi com um pé atrás,mas depois de ouvir concluo que o pé atrás foi muito mal usado.
Mas irei começar com um lado negativo do álbum,a sua capa,que é toda concentrada na beleza que Macy num tem,mas que pelo menos Macy num tem uns pombo morto pelo corpo (ouviu Alicia).
O álbum começa ótimo com sua faixa de estréia que entitula o nome do álbum,música com letra bonitinha e um belo vocal de Macy Gray,mas que sofre por ser a primeira e simplesmente se ofuscar pelas outras ótimas músicas.
Ainda falando em ótimas músicas temos Still Hurts que absorve toda a vibe R&B que Macy possui,a deliciosa single de estréia Beauty in the World,tipo de música que se ouve uma vez e não dá mais vontade de parar (vide sua melhor música Finally Made Me Happy),Help Me que possui uma forte mensagem e com isso tem a melhor letra do álbum,a animadinha e muito boa de se ouvir That Man (porque álbum de R&B que se preze tem que falar daquele homem que nunca se menciona o nome) e On and On com uma batida viciante e um dos melhores vocais de Macy em todo álbum.
Mas definitivamente a melhor música do álbum disparada é Kissed It.Como todos perceberam no meu texto sobre o cof álbum cof do Lil´Wayne odeio a mistura Rock e música Black,mas quando o artista é todo motivado pela competência sai músicas deliciosas de se ouvir com essa Kissed It e definitivamente o que seria dessa música sem essa batida do Velvet Revolver,quero essa música pra Single.
Por Fim The Sellout da Macy Gray é outro álbum que se você ainda não ouviu está realmente perdendo e entre os que ouvi (foram poucos admito) é um dos melhores,ótima pedida quem gosta obviamente da cantora e de R&B decente e definitivamente melhor que seus anteriores.

Nota:9,5/10

Melhor Música:
Kissed It
Pior Música:
The Comeback (longe de ser ruim,mas é a menos memorável)

Zumbilândia

Posted: 14 de jul de 2010 by leo in Marcadores:
8


A população mundial foi dizimada devido a um vírus,variante do mal da vaca louca,que fez com que as pessoas se transformem em zumbis.Poucos são humanos não infectados,entre eles Columbus.Ele é um estudante da Universidade do Texas que deseja voltar para sua cidade natal na esperança de encontrar seus pais ainda vivos.Cheio de fobias,o maior medo de Columbus não são os zumbis,mas os palhaços.No caminho ele encontrar Tallhassee,que está indo para a Flórida com o objetivo de aniquilar o maior número possível de zumbis e encontra duas garotas,Wichiita e sua irmã caçula Little Rock.

Quando ouvi falar de Zumbilândia,logo pensei que seria cópia barata da melhor comédia da década (Todo Mundo Quase Morto),mas o ótimo é que me enganei plenamente e Zumbilândia é uma grata surpresa.
Primeiramente é ótimo elogiar a direção minuciosa de Ruben Fleischer que juntamente com a fotografia e edição extremamente competentes nos entrega deliciosas cenas em câmeras lenta e uma cena inicial de perder o fôlego (aliás todas as cenas de ação ou não do filme são ótimas).
Outro fator que me agradou totalmente no filme é que o filme é ótimo pra todos os tipos de público,os cinéfilos de plantão e até o grande público,se mostrando um filme totalmente amarradinho,sem pontas soltas e sem desperdício de cenas.

Sobre as atuações são todas eficientes e interessantes Abigail Breslin e Emma Stone fazem até mais do que eu esperava,Amber Heard em uma cena impressiona (FATO,eu sempre me impressiono com gente que atua parindo ou fazendo zumbi) e Bill Murray faz jus à grande homenagem que lhe é feita.
Já Jesse Eisenberg literalmente se fode ao atuar na maioria das vezes com o BRILHANTE Woody Harrelson,Woody é visceral,engraçado e politicamente incorreto e isso só pra confirmar que o cara é o cara.

E ao chegar numa loja de departamentos em um lugar totalmente dominado por zumbis,o que fazer?Destruir ela todinha,puta cena boa e o filme meio que se resume a aquela ótima cena.Pena que o filme termina de forma meio brusca,mas nada que atrapalhe a execução perfeita de toda a película.

Por fim Zumbilândia é divertidamente violento,e inteligente mesmo com toda sua descontração,recomendo e enjoy the little things.


Sinopse retirada do Adoro Cinema

Nota:9.5/10

Zumbilândia (Zombieland,2009)
Direção:Ruben Fleischer
Roteiro:Rhett Reese & Paul Wernick
Elenco:Jesse Eisenberg,Woody Harrelson,Emma Stone,Abigail Breslin,Bill Murray,Amber Heard

Música do Dia

Posted: 12 de jul de 2010 by leo in Marcadores:
0




Como todos ou a maioria deve saber,sou o maior entusiasta da música dor de corno bem cantada do mundo,mesmo Maxwell não aparecer numa lista de cantores que gosto,essa música tem esse diferencial da típica dor de cotovelo.Ótima música.

Nine

Posted: 9 de jul de 2010 by leo in Marcadores:
5


Guido Contini é um famoso diretor de cinema às voltas com a crise da meia idade,repleto de problemas pessoais e com déficit criativo.Homem de muitas mulheres,seu maior desafio é buscar o equilíbrio entre a esposa,sua amante,sua atriz/musa no cinema,sua figurinista e confidente,uma jornalista de moda,uma prostituta e sua própria mãe.

Na primeira vez que ouvi falar de Nine,a curiosidade foi imediata um elenco espetacular como esse dirigido pelo cara que dirigiu o filme que me fez ficar perdidamente apaixonado pelo cinema e voltando ao seu gênero de origem,mas sabia que caso o filme fosse decepção o tombo seria grande e doloroso,eis que assisti ao filme e o tal tombo,foi tomado e de forma violenta.
O filme é incrivelmente bobo,uma premissa realmente interessante é ignorantemente jogada fora pra dar espaço a musicas aborrecidas e chatas de doer.
A fotografia do filme é caprichada,mas peca por ser parecidíssima com a de Chicago e até as cores reinantes de Nine são semelhantes com as de Chicago (Preto e Vermelho).A edição é boa,mas não o suficiente pra dar aquela aliviada no roteiro feito por uma criança cega.
Um dos poucos aspectos técnicos que salvam e soam realmente originais são os cenários caprichadíssimos,mas como sabemos cenário não faz um filme.

E em um filme com um elenco tão badalado,as atuações deviam ser no mínimo espetaculares não é? éee...em partes,pra começo ressalto que é de irritar usarem Sophia Loren e Nicole Kidman pra nada,elas fizeram absolutamente nada e ainda cantaram as músicas mais sofríveis do filme,Kate Hudson somente na cena do restaurante conseguiu me convencer mas quando ela começou a cantar Cinema Italiano,novamente me deu vontade de dar um soco nela (saudades eternas de Penny Lane).Já entre as indicáveis ao Oscar ainda não consigo entender porque demônios Penélope Cruz foi indicada,teve seus momentos?Teve sim,mas nada de relevante,mas é impossível passar em branco a cena de Penélope Cruz em "A Call from the Vatican" de uma forma que ninguém provavelmente nunca viu.Já o Fólie Bergére de Judi Dench é que deveria ser indicada ao Oscar de coadjuvante,Judi fez perfeitamente bem feito,praticamente tirou leite de pedra e nos entregou uma performance competente.

Já entre o casal de protagonistas Daniel Day Lewis decepciona,ator que é acostumado a entregar performances acima da média,em Nine ele parece querer se distrair e sair daquela impressão séria demais que sempre tivemos dele,mas CONCERTEZA ABSOLUTA esse filme não mancha currículo de ninguém,muito menos do melhor ator da atualidade.
E já Marion Cotillard transpira competência em todos os sentidos tanto na atuação,no canto e na beleza de embasbacar e tire suas próprias conclusões em "Take it All",sem falar que o melhor momento isolado de todo filme é uma cena em que Marion segura toda a tensão da cena com apenas um olhar julgador lançado a Daniel Day Lewis,ótima cena em que precede o musical de Take it All.

Por fim Nine é péssimo,se espera bons musicais não terá,se procura uma boa distração,não será e se quiser ver um bom roteiro,passa longe,mas se é fã de Marion Cotillard,ainda terá que esperar pra ela brilhar,ou seja,esperem passar no telecine.

Sinopse retirada do Adoro Cinema


Nota:4/10

Nine (Nine,2009)
Direção:
Rob Marshall
Roteiro:Michael Tolkin & Anthony Minghella
Elenco:Daniel Day Lewis,Mario Cotillard,Penélope Cruz,Sophia Loren,Nicole Kidman,Judi Dench,Kate Hudson,Stacy Ferguson

Vício Frenético

Posted: 4 de jul de 2010 by leo in Marcadores:
8


Após salvar um prisioneiro de afogamento em decorrência do furacão Katrina,o detetive Terence McDonagh é promovido a tenente.Com as costas seriamente contundida,passa a depender de analgésicos para aguentar a dor.Um ano depois,está viciado em Vicodin e cocaína,mas continua trabalhando em nome da lei.Quando uma família de imigrantes africanos é assassinada,ele é nomeado para o caso e sai à procura do assassino.Mas seu próprio envolvimento em atividades ilegais comprometem seus padrões morais e ameaça colocar sua missão em risco.

Vício Frenético é um dos melhores exemplares sobre a integridade de um profissional.não importa sua função.O filme trava de forma corretíssima a natureza humana,até onde as pessoas chegam para cumprirem perfeitamente sua função (mesmo que necessite da auto destruição).Outro tema citado é o popularmente conhecido "tudo que vai volta",por mais que o comportamento de Terence seja errôneo,quando é preciso fazer sua parte,faz perfeitamente bem.
Tecnicamente o filme não deixa totalmente a desejar,o tom sempre sombrio e pesado,sempre capta a essência carregada de sujeira e corrupção do filme e pra melhorar a situação a trilha sonora no mínimo interessante também acompanha o filme.
Mas se o filme pode ser entitulado ótimo,boa parte da culpa é da atuação marcante de Nicolas Cage,que transparece toda sua perturbação de forma que nos faz questionar se aquele homem está realmente drogado,definindo,Cage tem uma performance digníssima de prêmio.
E também é impossível deixar passar em branco a direção inteligente de Werner Herzog que nos faz viajar juntamente com Nicolas Cage,nos presenteando com cenas simplesmente sem sentido (eu não queria ver um crime e uma estrada no ponto de vista de um lagarto) e por isso ponto pra Herzog que nos carrega a onda de Nicolas Cage junto a ele.

Por fim Vício Frenético é um grande filme sobre o comportamento humano e seus padrões morais,só peca pela lentidão absurda do filme.


OBS¹:Como posso ter falado tão bem de um filme que eu nem gostei tanto assim?simples não encontrei argumento compreensível pra critica-lo de forma mais aceitável.

OBS²:Definitivamente Nicolas Cage devia atuar somente personagens com dores nas costas e viciados,porque sempre vem algo ótimo,quando não é isso,nunca me agrada.

Sinopse Retirada do Site Adoro Cinema

Nota:8/10


Vício Frenético (The Bad Lieutenant:Port of Call - New Orleans,2009)
Diretor:Werner Herzog
Roteiro:William M.Fiekelstein
Elenco:Nicolas Cage,Eva Mendes,Val Kilmer,Fairuza Balk,Xzibit,Jennifer Coolidge,Shawn Hatosy,Tom Bower,Vondie Curtis Hall,Brad Dourif,Denzel Whitaker,Irma P.Hall