Marina and the Diamonds - The Family Jewels

Posted: 30 de ago de 2010 by leo in Marcadores:
4


Assim que ouvi falar de Marina and the Diamonds (Marina Lambrini Diamandis pros mais íntimos) fiquei de fato desconfiado e cheguei a achar que era uma cópia descarada de Florence + the Machine (pela semelhança da idéia do nome de ambas),mas quando ouvi Mowgli´s Road,minha idéia de cópia começara a mudar a partir daí e resolvi procurar do que se tratava a tal Marina dos Diamantes.E foi quando veio a grande e (ótima) surpresa.


Como sempre antes de começar a falar do álbum em si,falo sempre de suas capas e esse ano ando vendo por aí alguns álbuns com umas capas incrivelmente fuleiras e essa de The Family Jewels se encontra nesse time,o excesso de photoshop nessa foto chega a me assustar mais definitivamente isso não é o mais importante.
Como também é de costume falo sempre da música que inicia o álbum e sempre acho que essas músicas devem ter o fator X que precise nos deixar no mínimo curioso pra as próximas faixas e esse quesito Marina preencher perfeitamente,Are You Satisfied? é bastante satisfatória.

Ainda falando em músicas boas temos a já citada e ótima Mowgli´s Road,Hollywood,a música que obviamente fala da fácil fascinação da juventude atual pelo país,mas que também pode servir muito bem como um elogio,trabalho interessante e inteligente de Marina,típica música que só atinge dependendo do ponto de vista.
I Am Not a Robot e Obssessions são duas das melhores músicas do álbum,músicas que vemos um interessante sentimentalismo que não vimos durante todo o álbum,letras ótimas e ambas faixas provam que Marina tem uma voz incrível.

O single Oh No! faz total jus a toda hype da música,música incrível,bem cantada e outra interessantíssima letra sobre o auto conhecimento,mas na minha opinião a melhor música é a deliciosa The Outsider com uma forte letra,o melhor vocal de Marina e uma batida marcante,The Outsider se torna memorável.
Mesmo que o álbum a partir da faixa 11,o ótimo ritmo cai,não prejudica todo o incrível desempenho anterior do álbum,ótimo álbum e ótima cantora que merece maior reconhecimento.

Nota:9/10

Melhor Música:The Outsider e I Am Not a Robot
Pior Música:Numb

Lunar

Posted: 27 de ago de 2010 by leo in Marcadores:
9

Spoiler Abaixo

Sam Bell é um astronauta que cumpre uma missão de três anos na Lua,em uma base instalada pela Lunar Industries.Sua função é extrair do solo e enviar regularmente à Terra uma substância que ajuda a renovar a energia do planeta.Sam tem apenas a companhia do computador GERTY e está ansioso para completar o trabalho,o que ocorrerá dentro de duas semanas,quando um novo funcionário virá substituí-lo.Só que,repentinamente,Sam começa a delirar e sofre um acidente.A partir de então ele encontra um clone seu dentro da estação Lunar.

Lunar nunca foi um filme que me interessou muito,pelo grande fato de ser um filme que se passa numa nave espacial e isso já me deixa entediado (porque existe lugar mais desanimador que uma nave espacial),mas pra minha felicidade,Lunar foi uma surpresa.
O filme é um interessante retrato sobre a solidão e seus danos colaterais,até mesmo porque a maior dúvida que o filme nos deixa é de que será que é realmente um clone ou é somente uma ilusão por conta da tamanha solidão e saudade que sente de seus entes queridos?
A direção de Duncan Jones é eficiente e coloca a dose perfeita de tensão que o filme precisa,com simplicidade Duncan e Nathan Parker (o roteirista do filme) fazem um bom trabalho.

Na parte técnica somente a direção de arte caprichada se destaca muito (sem contar que o trabalho artístico do filme ao todo é subestimado) e a fotografia de Gary Shaw aproveita da simplicidade dos planos do filme e nos presenteia com uma ótimo trabalho de fotografia.
A atuação única de Sam Rockwell é incrível em todas as suas facetas,em Lunar,Sam tem sua melhor performance de sua carreira,performance espetacular e muito subestimada de Sam.

Por fim Lunar é um filme que me agradou muito,mas de fato é aquele típico filme que reconheço todos os seus méritos mas não preenche totalmente o meu requesito.


Sinopse retirada do Adoro Cinema

Nota:9,5/10

Lunar (Moon,2009)
Diretor:Duncan Jones
Roteiro:Duncan Jones & Nathan Parker
Elenco:Sam Rockwell,Kevin Spacey,Dominique McElligott,Kaya Scodelario

You Don´t Know Jack

Posted: 20 de ago de 2010 by leo in Marcadores:
6


Jack Kevorkian sempre defendeu o ser humano tem o direito de morrer com dignidade,escolhendo a forma como deseja encerrar a vida diante de doenças terminais.Apoiado pelo amigo Neal Nicol e por sua irmã Margo Janus,ele passa a prestar uma "consultoria de morte".Desta forma,Jack ajudou em mais de uma centena de suicídios assistidos,o que lhe rendeu o apelido Dr.Morte.Em seu trabalho ele ganha o apoio de Janet Good,a presidente do Hemlock Society,e a ira dos promotores locais,que abrem um processo contra Jack.O responsável por defendê-lo na corte é Geoffrey Fieger,que precisa lidar não apenas com o processo em si mas também com a cobertura da mídia ao julgamento.


Todo ano a HBO lança seus telefilmes notáveis (o último melhor exemplo é Bernard and Doris) funcionam tanto pra dá um gás na carreira de certos atores quanto para afirmar pela trigésima vez que a HBO só faz crescer.Esse ano a HBO lançou You Don´t Know Jack,mas um bom exemplo disso.
O filme é dirigido por Barry Levinson e ele dirige de forma normal,sem muita inovação,coisa que para ele costuma dar certo,a edição é precisa e atenciosa pra não atrapalhar o espectador com algumas cenas que parecem meio que de surpresa (digo alguns depoimentos que simplesmente apareciam do nada,mas obviamente era necessário).
O elenco é um dos melhores que a HBO já reuniu para um filme,John Goodman atua com sua competência habitual,Danny Huston (o ator que merecia a indicação ao Emmy,e não Goodman) está ótimo em cena.
Sobre a atuação de Susan Sarandon inicialmente não entendi a hype que existia pela parte de alguns sobre a performance dela,mas é só assistir sua cena final e temos nossa resposta,Brenda Vaccaro merece qualquer prêmio que for indicada e Al Pacino faz o que não fazia a tempos,dá um show de interpretações e arrasa na pele de um cara esquisito e cheio de trajeitos estranhos,uma bela composição de um personagem.

A discussão que Jack nos tras a tona é interessantíssima,nos faz pensar dias e ficar simplesmente sem palavras ao fim quando alguém pergunta do que o filme se trata e o que Jack fez pra ter sido preso (aconteceu comigo).O maior pecado de You Don´t Know Jack é as voltas e voltas que o filme dá em assuntos até importantes para o andamento da trama,mas que acabam se tornando maçantes por tamanha insistência.

Por fim You Don´t Know Jack é um filme muito "gostável" onde dificilmente quem assistir irá desgostar,mas como disse peca demais por ser certinho demais e em certos pontos atingir o nível entediante,mas recomendo,vale pela horas que você irá pensar no assunto.

Sinopse do site Adoro Cinema.


Nota:8,5/10

You Don´t Know Jack (You Don´t Know Jack,2010)
Diretor:Barry Levinson
Roteiro:Adam Mazer
Elenco:Al Pacino,Brenda Vaccaro,Susan Sarandon,John Goodman,Danny Huston

Treme

Posted: 18 de ago de 2010 by leo in Marcadores:
5

treme_hbo_02

Nos meados de 2005,uma cruel tempestade atingiu a virtuosa cidade de New Orleans,o Katrina.Onde arruinou famílias,matou pessoas e destruiu sonhos e estabelecimentosa,a única herança que deixou foi o desastre e a tristeza entre seus sobreviventes.É aí que aparece a grande questão da série,após o furacão no que aqueles sobreviventes iriam se suportar pra continuar a vida normalmente.

Pra falar a verdade,duvidei da competência dos criadores da nomeada a melhor série de todos os tempos (The Wire) e me pergunto como eu posso duvidar desses caras que conseguiram tirar extraordinárias histórias onde o grande protagonista é uma catástrofe,mas amiguinhos estamos falando da HBO né.

Antes de falar da série em si,digo que Treme é genial e eficiente já em sua abertura,inicialmente vemos imagens do animado Mardi Gras (que já será citado),logo após o tornado se formando e depois o resultado da catástrofe e sem contar que o contraste é no mínimo curioso porque ao som da animadíssima “The Treme Song” do ótimo John Boutté mesclando com imagens tristes do que restou,mofo,mortes e fotos.

Os pontos de partida da série eram o desaparecimento de Daymo,irmão de LaDonna,o tão esperado Mardi Gras que estava se aproximando e New Orleans precisava se recompor e é claro a tentativa dos personagens se reerguer tanto pessoalmente quanto moralmente (digo como cidadãos americanos já que o governo parecia que queria aproveitar a situação e esquecer as vítimas do Katrina) e com isso Treme funcionou muitíssimo bem como uma homenagem a New Orleans e como uma dura crítica ao governo americano e a centralização Nova Iorquina.

A temporada também citou assuntos delicados na cidade naquela época,como o tal descaso do governo com a educação e a intolerância policial na época devido ao estresse pós-Katrina (e como os roteiristas são brilhantes ouvimos o ponto de vista dos policiais e com isso veio uma atuação ótima de David Morse).Outro questionamento interessante foi sobre o Mardi Gras,já que o povo de New Orleans estava tão animado para o Mardi Gras porque não gastar aquela animação para reconstruir a cidade em ruínas?Tradição ou necessidade?

Como já elogiei o roteiro,o que dizer da parte que mais aprecio,as atuações.O elenco é grande e todos eles estão nada menos que impecáveis,Rob Brown representa bem o maior questionador do Mardi Gras,já Michiel Huisman e Lucia Micarelli defendem perfeitamente o casal que precisava de um susto para parar com os excessos (mesmo que o irritante Sonny volte),Steve Zahn mostra uma das mais simpáticas de suas atuações como uma dos grandes defensores da alegria do Mardi Gras e ainda temos Wendell Pierce que representa bem a boêmia da cidade,a parte musical do carnaval.

Como tudo tem seu ápice,no quesito atuação Kim Dickens,Melissa Leo,John Goodman,Khandi Alexander e principalmente Clarke Peters são os maiores representantes de atuação perfeita.

Kim era a face da derrota,simplesmente nada dava certo na vida de Janette,mas nunca deixando a barra pesar demais e sempre mantendo o ótimo humor e Kim brilhou em sua performance.Melissa Leo e Khandi Alexander impressionam mostrando ter uma química impecável em cena e a atuação de ambas é espetacular na reta final.

Já John Goodman e principalmente Clarke Peters saem como um dos maiores injustiçados pelo Emmy,o que dizer dos vídeos gravados por Cray e a maestria absurda de Big Chief é realmente impressionante a performance fortíssima de ambos.

Por fim Treme é uma das grandes temporadas do ano,atingindo episódio após episódio a perfeição,série incrível,que nos faz se envolver com os personagens,ótima e viciante série.

Nota:10/10

Melhor Episódio:Smoke My Peace Pipe

Melhor Cena:Primeiro vídeo gravado por Cray

Ligações Perigosas

Posted: 7 de ago de 2010 by leo in Marcadores:
9


(SPOILER - não leia caso não viu)

A Marquesa de Marteuil precisa de um favor de seu ex-amante,o Visconde de Valmont,pois seu ex-marido está planejando se casar com uma jovem virgem e ela deseja que o Marquês,que é conhecido por sua vida devassa e suas conquistas amorosas,a seduza antes do dia do casamento.No entanto,ele tem outros planos,pois planeja conquistar uma bela mulher casada,que sempre se mostrou fiel ao marido e é religiosa.A Marquesa exige então uma prova escrita dos seus encontros amorosos e,se ele conseguir tal façanha,ela lhe promete como recompensa passarem uma noite juntos.Mas os jogos de sedução fogem do controle.

Num sebo daqui de perto de onde eu moro uma certa vez comprei um livro que se entitula "As Ligações Perigosas" achei um livro meio difícil pra minha idade e até mesmo chato,mas quando soube que existia um filme baseado nesse filme,não fiquei curioso pra assisti,mas como sábado a noite em locadora é sempre horário de vacas magras,Ligações Perigosas estava lá me olhando,resolvi assistí-lo e eis que veio a surpresa.E após aquela primeira assistida,revi ele novamente,6 vezes.
Não sou fã de filmes de época,mas Ligações Perigosas é altamente tenso em sua narrativa,a todo momento a impressão que tenho que algo de muito podre tá acontecendo atrás daquela cena (mesmo que o que há de podre seja somente sexo mesmo).Falando em sexo,o filme grita sexo em todas,digo todas as cenas mesmo.
O roteiro é altamente inteligente e trata de forma impecável a ambição e o prazer de ver vidas arruinadas,sem contar nos diálogos sempre muito afiados entre Marteuil e Valmont.

O filme tem diversos atributos impecáveis,figurinos de cair o queixo e cenários perfeitos (o que se espera de um filme de época),a trilha sonora de George Fenton é tão tensa quanto o clima do filme e a fotografia caprichada de Phillippe Rousselot anda em total sincronia com a direção perfeita de Stephen Frears.
Falando em Stephen Frears sempre achei ele incrível,mas aqui ele leva sua genialidade a um nível superior,combinando perfeitamente a tensão sexual que rola entre todos os personagens do filme e as longas tomadas que sempre vinham acompanhadas de diálogos que nos deixam igualmente tensos.

Quando se pensa que o maior trunfo dos filme está na direção ótima de Frears ou no roteiro inteligentíssimo de Christopher Hampton,nos enganamos belamente.
Os atores desse filme estão incrivelmente espetaculares,Uma Thurman começa com o pé direito e com ótima companhia,Michelle Pfeifer tem uma merecidíssima indicação ao Oscar,Swoosie Kurtz é competente,mas infelizmente é ofuscada pela sua companhia em cena.
John Malcovich está quase sobrenatural como Sebastien de Valmont,estranhamente belo,John nos intimida sempre com seu olhar sempre maldoso.
Glenn Close tem a melhor atuação de sua carreira e uma das melhores de todos os tempos,Glenn impressiona com tanta técnica,onde somente com um olhar e com uma palavra (especificamente War) nos amedronta e nos deixa de queixo caído.

E o que dizer da cena final,que é uma das melhores cenas finais que já vi.Que se inicia na luta incessante de Valmont e Danceny,chega até o momento da morte de Tourvel,a chegada de Marteuil no teatro,as vaias desconcertantes,o tombo proposital (porque é difícil manter-se de pé após uma humilhação,ainda mais pra uma pessoa com "reputação") e o fim no rosto emocionalmente desfigurado de Marteuil e é aí que vem o grande triunfo de Glenn Close,espetacular.

Por fim Ligações Perigosas é totalmente perfeito,em todos os seus sentidos,um grande retrato sobre a vingança,o amor mal resolvido e a rejeição,recomendo.


Sinopse retirada do Adoro Cinema

Nota:10/10

Ligações Perigosas (Dangerous Liaisons,1988)
Diretor:Stephen Frears
Roteiro:Christopher Hampton
Elenco:Glenn Close,John Malcovich,Michelle Pfeifer,Swoosie Kurtz,Keanu Reeves,Mildred Natwick,Uma Thurman,Peter Capaldi

Temporadas Passadas Parte 1

Posted: 6 de ago de 2010 by leo in Marcadores:
6


Como no espaço de tempo das férias escolares eu assisti diversas temporadas que ainda não tive a oportunidade de comentar.Um porque iria ficar muitos posts um atrás do outro (já que estava fazendo maratonas) e dois que é melhor mesmo fazer somente um post,então vamos as temporadas que assisti.

How to Make it in America (HBO)- 1º Temporada - Elenco:Bryan Greenberg,David Rasuk,Lake Bell,Shannyn Sossamon,Eddie Kaye Thomas,Kid Cudi,Luiz Gúzman.

How to Make it in America é uma série interessantíssima sobre como as pessoas tentam ganhar a vida e realizar o sucesso na terra das oportunidades.
Ben e Cam são os protagonistas que tentam de toda a forma se dar bem produzindo uma linha de roupas masculinas e em meio a essa trama Ben ainda tem que lidar com a relação mal resolvida com sua ex Rachel e com a imaturidade de seu melhor amigo Cam.
A série foi uma das maiores surpresas,surgiu meio que do nada (pra mim foi) e simplesmente me conquistou,o elenco é simpático demais,pena que a melhor atuação da série é de uma participação especial (Martha Plimpton) e a única coisa que lamento na temporada foi exatamente a exclusão de Martha do elenco da série,que concerteza com Edie na próxima temporada teriamos ótimos momentos,mas resumindo a série foi ótima.
Nota:9/10



Cougar Town (ABC) - 1º Temporada - Elenco:Courtney Cox,Christa Miller,Busy Phillips,Dan Byrd,Josh Hopkins,Ian Gomez,Brian Van Holtz.

Assim que assisti ao piloto de Cougar Town,foi estranhamente amor a primeira vergonha alheia,juntamente com Eastwick imediatamente Cougar virou meu maior Guilty Pleasure.Mas como todo Guilty Pleasure eu largo eles no meio do caminho (recentemente foi assim com Eastwick,Kath & Kim e The Beautiful Life) com Cougar foi estranhamente diferente,preferi ficar me torturando com tamanha bobeira que presenciava.
Courtney Cox parece que somente quer voltar a trabalhar porque ela é divertida,mas não é competente o suficiente pra brilhar mais que Christa Miller e Dan Byrd (ambos hilários) e sobre o roteiro é muito melhor deixar pra lá aquelas piadas que sempre parecem sair do gatilho de uma pistola,mas tudo bem,eu assisto a série sem a mínima culpa.
Nota:8/10



Mercy (NBC) - 1º Temporada - Elenco:Taylor Schilling,Michelle Trachtenberg,Jamie Lee Kichner,James Tupper,Diego Klattenhoff,Guillermo Diaz,James LeGros,Charles Semine

Mercy foi uma série que em momento algum eu a tratei como Guilty Pleasure mesmo que ela mereça esse tratamento por ter sido uma série com uma temporada altamente irregular,com seus poucos altos e muitos baixos,mas vamos lá,sou super fã de séries médicas e com essa não foi diferente.
A série tinha até uma premissa interessante e que foi realmente bem usada por uma boa parte do tempo,até chegar o episódio 16 e a idéia da depressão pós-guerra foi totalmente jogada no lixo por um fantasia boba.
O elenco não fazia nada de espetacular,onde novamente Michelle Trachtenberg prova que merece uma série de respeito somente pra ela,esbanjando simpatia.
Mas vamos ao que mais me deixou encucado,nunca tinha assistido na minha vida uma season finale tão pessimista,tão pra baixo como a de Mercy.Como alguém consegue ser tão desgraçada quanto a Veronica,sério,é muita maldição pra somente uma season finale e sem contar que sua maré de azar,se extende a Chloe,enfim,finale de Mercy é pessimista até o último fio de cabelo.
Nota:7/10

to be continued...

Simplesmente Complicado

Posted: 4 de ago de 2010 by leo in Marcadores:
6


Jane é mãe de três filhos e mantém uma relação amigável com Jake,seu ex-marido,de quem se separou há dez anos.Quando eles se encontram para a formatura de um dos filhos.Fora da cidade,surge um clima e eles passam a ter um caso.Só que Jake é agora casado com Agness,o que faz com que Jane torna-se sua amante.Paralelamente Adam entra na vida de Jane.Ele é um arquiteto contratado para remodelar a cozinha do restaurante de Jane e,aos poucos,se apaixona por ela.

Que Nancy Meyers não é uma diretora/roteirista absurdamente incopetente pelo fato de todos os seus filmes serem mérito somente de seus atores (que sempre aparecem somente simpáticos) isso todos nós já sabíamos,mas infelizmente ela conseguiu chegar ao seu ápice com esse terrível Simplesmente Complicado.
O roteiro é aborrecido,não tem graça e sempre força um pouco exagerado pra mim e na reta final onde tudo se mostra um pouco mais emocional a coisa irrita ainda mais (porque se você não se irritou com aqueles três filhos putinhos no finalzinho,parabéns,você é forte) e tudo acaba numa resolução ainda mais boba e desinteressante.
E como disse acima todos os filmes de Nancy Meyers são suportados pela competência dos seus sempre bem escolhidos atores e em Simplesmente Complicado não é diferente,Meryl Streep atua com tamanha naturalidade e facilidade que na verdade nem parece que tá atuando,Steve Martin está de forma impecável e simpático de um jeito que a muito tempo não vinhamos e Alec Baldwin é o grande trunfo do filme atuação ótima e o único que consegue divertir pra valer (e o que dizer da cena no Notebook,o trio está incrível),mas também é válido falar do bom John Krasinski que só faz me agradar a cada trabalho seu.
Mas como também disse mais acima aqueles três 'retardados' filhos estragam tudo que o ótimo trio construiu ou seja aquela cenazinha de merda dos quatro exaltadinhos conseguiu me irritar como nunca tinha visto.

Por fim Simplesmente Complicado é um horror mas se você gosta de comédias românticas bobinhas assista e claro assista por Meryl,Steve e Alec que estão realmente impecáveis.
PS.o pior filme de Nancy Meyers.


Sinopse Retirada do Adoro Cinema.

Nota:3,5/10

Simplesmente Complicado (It´s Complicated,2009)
Diretor:Nancy Meyers
Roteiro:Nancy Meyers
Elenco:Meryl Streep,Steve Martin,Alec Baldwin,John Krasinski,Lake Bell,Mary Kay Place,Rita Wilson,Alexandra Wentworth,Hunter Parrish,Zoe Kazan,Caitlin Fitzgeral