Janeiro

Posted: 30 de jan de 2012 by leo in Marcadores: , ,
2


Resolvi mudar a forma de postar,como já vi que comentar filme por filme,disco por disco e temporada por temporada,comigo não dá certo,então,porque não fazer pequenos resumos de tudo aquilo que estreou e me chamou atenção separadamente por seus meses,será assim,e espero muito que eu não canse lá pelo meio do ano e desista dessa forma de postagem também.Uma observação,irei comentar aquilo que eu assisti,e não que foi lançado nesse mês,ou seja,muita coisa atrasada,terá nisso aqui,então,vamos a eles.


Filmes


Pode-se dizer que 2012 começou de forma bastante positiva,temporada de premiação e época de Blog de Ouro,procuramos assistir o que há de melhor,ao menos aquilo que parece ser o melhor.Primeiro filme de 2012 foi Jogos de Poder,dirigido por Doug Liman,com um roteiro que passeou pelo massante em seu primeiro ato e pelo muito bom quando se focava no drama familiar da protagonista,ótima performance de Sean Penn,mas Naomi Watts era quem ditava as regras.A simpatia de Emma Stone me conquistou completamente pelo ótimo A Mentira,falando em simpatia,Woody Allen extrapolou do adjetivo num dos filmes mais virtuosos de 2011,Meia Noite em Paris é uma aula de roteiro e uma viagem a cidade que dá título ao filme,e o elenco? Que elenco,Owen Wilson numa de suas melhores atuações e que não se deixa ficar pra trás em frente ao um elenco onde até Carla Bruni está bem,destaco Marion Cotillard (sempre ela) e Corey Stoll que rouba a cena quando aparece,continuando na vibe leveza,assisti ao interessante A Árvore da Vida de Terrence Malick,diferente,difícil e de vez em quando insuportável,não tenho uma opinião formada,não amei e nem odiei,só achei algo único,Hunter McCraken e Jessica Chastain em performances memoráveis e uma das piores cenas finais que já assisti.Mas não foi só de leveza que foi Janeiro,tivemos os confrontadores Melancolia e A Pele que Habito de Lars Von Trier e Pedro Almodóvar,respectivamente,ambos aulas de como fazer bem feito,primeiro metafórico,contundente e singelamente esperançoso,Kirsten Dunst em sua melhor performance fácilmente,Charllote Gainsbourg no mesmo nível da primeira e participações ótimas de Kiefer Sutherland e Charlotte Rampling.Já A Pele que Habito é o melhor de Almodóvar desde Volver,incrível,doentio e memorável,roteiro incrivelmente provocador e chocante,Antonio Banderas voltando a atuar igual gente,Marisa Paredes e Jon Arnet ótimos em cena,mas é Elena Anaya quem rouba o filme pra si,sensacional.E pra fim,assisti ao preferido ao Oscar,O Artista de Michael Hazanavicius,melancólico,saudosista e corajoso (mesmo que filme mudo seja algo do início do século 20),roteiro incrível e tecnicamente perfeito,todo carregado na música de Ludovic Bource e na atuação extraordinária de Jean Dujardin,que leva o filme na base de gestos e expressões,a diferença é que temos uma Berénice Bejo em seu caminho,que particularmente a acho melhor em sua atuação,um ótimo filme.

5 Cenas
  1. A Tentativa de fulga de Claire (Melancolia)
  2. A Cena Final (O Artista)
  3. A Operação (A Pele que Habito)
  4. O Balé no Jardim de Mrs.O´Brien (A Árvore da Vida)
  5. I´ve,I´ve got Pocketfull of Sunshine (A Mentira)

Séries


Pra quem me conhece do twitter,sabe que sou a pessoa mais desleixada do mundo com séries,não tenho o costume de ver nada em dia,absolutamente nada,mas resolvi mudar e comecei com as estréias de Janeiro,outra coisa que sabem que de todas as temporadas que atraso,costumo fazer maratonas,no caso,a maratona que eu enrolei durante todo mês,foi Justified da FX.A 1° Temporada,fora extraordinária e a segunda,atingiu níveis estratosféricos de genialidade,direção sempre competentíssimas (destaco aqui Adam Arkin por Reckoning),roteiro ágil de diálogos sensacionais e o que dizer das atuações? todas,sem tirar nem por,são incríveis,a série é extremamente generosa com seus atores,Timothy Olyphant e Walton Goggins despensam comentários e quem impressiona é Margo Martindale numa das figuras mais assustadoras dos últimos tempos na Tv,temporada perfeita.E tivemos as estreias,a NBC veio com a procedural The Firm,baseada no livro de John Grisham,não passa do bom,mescla bem os casos da semana com o plot central da série,possui um bom texto,mas não é um The Good Wife,o elenco é bom,Josh Lucas,Molly Parker e Callum Keith Rennie encarnam bem o papel que lhe é entregue,mas Juliette Lewis (quem diria?) exagera,o canal também investe em musicais,a empreitada é Smash criada por Theresa Rebeck,que filma os bastidores da Broadway e o ambiente extremamente competitivo,o elenco é competentíssimo,Debra Messing,Anjelica Huston (ótima),Jack Davenport (o melhor da série),Megan Hilty e a Runner Up da 5° temporada de American Idol,Katherine McPhee,um ótimo piloto,resta saber se vai continuar seguindo a boa linha e proposta da série.A Showtime veio com House of Lies,muito conhecida como a nova série da Kristen Bell,piloto bem ruim,mas que se recupera bem no 2° episódio,focando mais no texto e investindo mais nos resto do elenco,Don Cheadle é o protagonista.E as duas grandes promessas do mês,a primeira delas que estreará oficialmente em Março,mas o piloto vazou,é Touch,criada por Tim Kring (criador de Heroes e por isso muitos viraram a cara),o que se pode dizer é que o piloto é contundente do jeito que todo episódio inicial deve ser,é cativante,emocionante,Kiefer Sutherland está ótimo no papel e novamente um ponto positivíssimo pra série,os atores regulares da série (Sutherland,David Mazouz,Gugu Mbatha-Raw e Danny Glover) são ótimos,diferentemente da segunda grande aposta.Alcatraz,produzida por JJ Abrams,com Sarah Jones (Polly Zobelle!),Jorge Garcia,Sam Neill e Parminder Nagra no elenco,como disse diferentemente da primeira citada,aqui somente os dois primeiros atores fazem direito o dever,Sam Neill canastríssimo e Parminder Nagra nunca é boa,já Jorge Garcia me surpreende,sobre a série,não é das melhores,o que mais me prende são as resoluções sempre interessantes para seus casos,mas o roteiro na maioria das vezes são bastante imbecis e os diálogos são vexaminosos.Mas também tivemos retorno de uma das melhores séries da atualidade,a policial Southland volta pra sua 4° temporada,diminuindo o número de atores regulares e fazendo o certo,deixando somente os melhores atores e personagens da série,adicionando Lucy Liu,muitíssimo bem em cena,detalhe importante,a season premiére é um dos melhores episódios da série.

5 Atuações
  1. Timothy Olyphant em Justified por Reckoning
  2. Margo Martindale em Justified por The Spoil
  3. Regina King em Southland por Wednesday
  4. Jorge Garcia em Alcatraz por Kit Nelson
  5. Ben Schwartz em Amsterdam por House of Lies

Música


Janeiro começou mal pra música,na primeira metade do mês,nada vazava e aqueles que iriam ser lançados não me interessariam muito,cheguei ao ponto de ter que considerar aqui o último interessante de 2011,mas o resto do mês foi produtiva,ao ponto de ter que deixar muitas coisas pra Fevereiro.Como sempre tivemos surpresas,algumas boas e outras ruins e uma decepção,das grandes.Entre as coisas ruins,tívemos Common com seu The Dreamer/The Believer,o disco é ruim? não,mas extremamente mais do mesmo,nada de inovador,nada.Sounds from Nowhere do The Ting Tings sofre do mesmo mal,praticamente a mesma coisa de We Started Nothing,a grande diferença é que o 1° disco de fato era novidade,mas destaco a nostalgia de One By One.Tívemos também o desastre de Paralytical Stalks do of Montreal,aquele tipo de disco que quando se começa a se apegar a qualquer música,a mesma toma rumos completamente diferentes e desinteressantes,um samba do criolo doido,bem do desagradável e pra terminar,a primeira grande decepção de 2012,Lana Del Rey era a grande promessa da música pro ano com Born to Die,mas desapontou,letras ruins? Jamais,todas,sem exceção,possuem boas letras,algumas incríveis,como Dark Paradise,mas todas possuem a mesma batida,nada inovador,um disco absurdamente preguiçoso,mas não completamente descartável.Mas agora,vamos falar de coisa boa e não é da Iogurteira Top Therm,Chairlift lança seu Something,diferente e cativante,a voz linda de Caroline Polachek faz a diferença e músicas extraordinárias como Amanaemonesia,Guilty as Charged,Cool as a Fire.E pra terminar as duas pérolas do mês,primeiro The Maccabees com o impecável Given to the Wild,tipo de disco que é complicado dizer qual música é mais incrível,opções não faltam,mas Ayla,Child,Forever I´ve Know,Unkown,Went Away,Heave,simplesmente ouça.Ano passado lembro que o melhor disco nacional fora lançado na primeira metade do ano,mas ouvi somente no fim,já 2012 fiz diferente,o melhor nacional do ano (e provavelmente,não irão tirar do lugar tão fácil) é Segunda Pele de Roberta Sá,sai do lugar comum de muitas cantoras nacionais (o samba) e inova,com novos ritmos,nova cara e novas letras arrasadoras (Altos e Baixos,Você não podia surgir agora) mas sem nunca perder a graça impecável,uma das melhores cantoras no seu melhor trabalho.

5 Músicas

2 comentários:

  1. Janeiro foi mesmo fraco pra música, mas The Maccabees salva em grande estilo. Ainda não vi a 4ª de Southland! Tá aqui mas não ando tendo tempo. Tb gostei mais do que imaginava que gostaria de Easy A.

  1. Quem diz que 2011 foi um ano fraco, não deve ter assistido a "Melancolia" ou "A Pele Que Habito", filmes que você cita no seu post, por exemplo. Para mim, foi um ano muito variado e cheio de boas surpresas!